terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

Ser livre...

Ser livre...

Hoje,
deixei que a caneta,
se libertasse,
sobre a folha de papel...
Livremente,
voasse sobre ela,
que nem cavalo selvagem que corre livre pelos campos...
Sem nada que a prendesse,
sem sentido,
sem orientação...
Fui vendo a folha branca,
ficar manchada pela tinta,
que saia da sua ponta,
deixando a sua marca,
deixando um pouco de si...
Livremente,
sobre a folha de papel,
a caneta deixou ideias,
sentimentos,
momentos,
memórias...
Por momentos,
queria ser a caneta,
tirar de mim,
um pouco disso tudo...
Libertar memórias,
soltar sentimentos,
deixar voar alguns momentos...
Ser livre...

Nuno Miguel Miranda
"Parvoices" de Um Sonhador

1 comentário:

Isabel Lima disse...

Excelente texto que nos leva na sensação de liberdade em toda a sua abrangência, sem que nada nos agarre ou nos prenda. Quem é livre sabe o quão bom é este sentimento. Parabéns pelo magnifico texto Nuno Miguel Miranda.